Inteligência Emocional (Livro 1/2)

Atualmente, um dos meus focos nos estudos é sobre o assunto Inteligência Emocional. Para os profissionais que desempenham função que dependem das pessoas, é fundamental entender como as atitudes e o comportamento humano se processam e influenciam as decisões e escolhas de cada um.

Nós que atuamos na gestão de equipes e que temos o objetivo de tornar as pessoas cada vez mais produtivas e criar um ambiente adequado para que isso aconteça, é um tema que deve ser estudado com muita profundidade.

Alinhado a essa meta, acabei de ler um dos dois livros que comprei sobre o assunto. Em “O Novo Profissional Competitivo: mais razão, emoção e sentimento na gestão”, o autor Carlos Faccina, renomado profissional que durante vários anos atuou na gestão de RH da Nestlê, fala sobre os fatores inatos e da natureza humana que influenciam a tomada de decisões e que devem fazer parte do processo de educação gerencial. Com uma linguagem não tão simples e com alguns trechos de difícil entendimento, o autor passa uma visão importante: não existem receitas e fórmulas mágicas para entender o comportamento humano. São diversas variáveis que devem ser levadas em consideração e todas elas podem ser refutadas e questionadas. Portanto, a única verdade em relação a este assunto é que não existe verdade absoluta e cada situação requer um tratamento diferenciado.

Abaixo, seguem alguns registros que fiz ao longo da leitura de livro e que compartilho com vocês.

Livro: “O Novo Profissional Competitivo, mais razão, emoção e sentimento na gestão”

Autor: Carlos Faccina

Registros escritos por Alércio Bressano

– Excesso de calculismos, fórmulas prontas e regras podem atrapalhar realizações na vida (conclusões dos trechos finais do prefácio de Eduardo Giannetti)

– O primeiro capítulo fala sobre a competitividade (variáveis sistêmicas, estruturais e internas), responsabilidade social como diferencial e sendo parte do plano estratégico da empresa e os desafios das empresas com a globalização (ter foco mais estratégico/inovação e menos na eficácia operacional).

– Exemplo do case do criador do microcrédito: “O avanço do conhecimento é, sobretudo, a quebra de paradigmas e da rigidez do comportamento. A inflexibilidade não é amiga de novas ações ou de diferentes dimensões de um problema.”

– O segundo capítulo aborda as ferramentas gerenciais de qualidade total (foco nos erros – defeito zero), reengenharia (mudanças e otimizações/integrações de processos, fazer mais com menos) e modelo de competências (inteligências múltiplas). O autor mostra que essas ferramentas cumpriram bem seu papel, mas consideram o profissional como tábula rasa (folha em branco que precisa ser preenchida do zero com os novos conceitos). Despreza os talentos inatos das pessoas (temos que buscar equilíbrio entre o meio e a natureza humana).

– O terceiro capítulo aborda que o conhecimento deve ser aplicado às organizações de modo que equilibre a busca pelos resultados empresariais (aumentar receita e reduzir custos) e a satisfação pessoal, inovação e prazer das pessoas.

– A moderna teoria do conhecimento humano visa passar de um modelo que tem a verdade, para algo realista e crítico, onde as conquistas são provisórias -> Razão Dogmática x Razão Crítica

– Modelos devem ser tratados como uma simulação da realidade, e não como a realidade propriamente dita. É apenas um meio de compreender melhor a situação (auxílio/apoio).

– Toda solução para um problema deve estar aberta a críticas (com objetivo de refutá-la). Se for, fazemos outra tentativa. Se não for, experimentamos, considerando que será criticada mais a frente. É um ciclo constante de “ensaio e erro” consciente.

– Realidade mostra que as ciências administrativas (métodos de gestão) se distanciaram da filosofia e das ciências humanas.

– As velhas doutrinas resistem à evolução do conhecimento, pois as novas teorias questionam as anteriores e não são aceitas pelos criadores de antigas teorias bem sucedidas (não são vistas como incrementos).

– No quarto capítulo, é feita discussão sobre não somente as características do ambiente que influenciam as atitudes/decisões, como também o que é inato (natureza humana).

– Não somente o ambiente tem a capacidade de transformar e adaptar gestores. A natureza humana tem papel fundamental.

– “Devemos intensificar conteúdos que revelem a essência da natureza humana, para o aprimoramento da formação do profissional atual e do futuro?”

– Num processo decisório, não pode haver separação do corpo e da mente, ou seja, o fator emocional não substitui o racional, complementa-o

– Competências gerenciais têm que sair da sabedoria convencional (receitas e promover verdades prontas) e partir para a sua essência (instigar e provocar questões não advindas da sabedoria convencional, quebrar paradigmas, incentivar soluções criativas e insights).

– Palavras-chaves: ter coragem, assumir riscos, liderar, criar, renovar, fazer analogias, ter insights. Entender como relacionar essas habilidades com as inatas (nosso software que nascemos)

– “Autoengano perverso”: não atentar para o que é inato e achar que as habilidades necessárias estão sendo exercidas (mas de fato não estão)

– Deparando-se com qualquer problema, não podemos nos limitar a uma análise superficial, mas sim uma avaliação aprofundada a partir da Razão Crítica (exemplo da redução da criminalidade nos EUA).

– Os recursos (principalmente humanos) das empresas serão cada vez mais escassos e dispendiosos. A principal questão será: o que priorizar? Inovar e renovar serão base estratégica das empresas. Foco: ser mais produtivo, eficiente e eficaz.

– O quinto capítulo começa mostrando que inato, mente e corpo estão unidos (não somos um papel em branco e nascemos com programa inato e revelador do potencial influenciados pelos agentes do meio – cultura, religião, experiências)

– Não considerar a natureza humana pode levar à exigência de sacrifícios que a maior parte dos seres humanos não são capazes de colocar em prática.

– Emoção, sentimento e razão determinam o comportamento humano e são necessários para tomar decisões e direcionar a vida com mais prazer.

– Sentimentos ocorrem na mente e emoções no corpo (como um edifício onde as emoções são as fundações e os sentimentos o topo).

– Emoções são mecanismos de defesa em relação ao ambiente. Importante entender como elas ocorrem. Três tipos: de fundo, primarias e sociais.

– A verdade deve ser constantemente refutada e não devemos deixar que ideias, processos ou modelos concebidos contenham a verdade e que fiquemos limitados a ela (a busca da verdade é uma tentativa contínua e sistemática do experimento cientifico – incorporar o beneficio da dúvida).

– A razão crítica se constitui a conjecturar e refutar a verdade dos modelos preconcebidos

– Sentimentos são importantes.

– Os homens julgam as coisas de acordo com sua disposição mental, estado do cérebro.

– Revolução cognitiva significa a ideia de que eventos físicos, funcionamento da mente e racionalidade não são fatores isolados. Significa também que a mente e capaz de explicar coisas sem recorrer a estereótipos predefinidos.

-“O inato é base para a inteligência de resultados, sinônimo de padrões superiores de competitividade nas organizações empresariais”.

– Importante atentar que emoções e sentimentos são elementos fundamentais para estratégias e indutores de sucesso ou fracasso.

Aproveito e indico também a revista Super Interessante de Outubro/2009 que fala sobre alguns conceitos e autores inclusive citados nesse livro (capa “O segredo de ser você”).

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: