Debate videocast Todos por um e Um por Todos #2 – Tema “Insatisfação no Trabalho. Quais os motivos?”

Contribuições dos participantes (Debate)

Videocast Todos por um e Um por Todos #2 – Tema “Insatisfação no Trabalho. Quais os motivos?”

Todos por um #2 – lançando o desafio

Maria Angelica Castellani (SP) Oi Alercio, penso que um dos principais motivos entre outros muitos pode ser a imposição hierárquica, falta de autonomia, falta de empowerment. Abs!

Odelar Oliveira Maria Angelica, penso na mesma linha que você, pois vejo que as pessoas não são consideradas como parte fundamental dos trabalhos a serem desenvolvidos, sejam projetos ou manutenção da operação. Dificilmente são ouvidas ou convidadas a participar da solução e muito se dá aos imediatismos atrelados à “autoridade” hierárquica! Muito bom discutir sobre!

Maria Silvia M Pompeu (SP) … antes tarde do que nunca!!! lá vai a minha contribuição: um dos vários motivos, com o qual me deparei (através de pesquisa interna) é a frustração por não conseguir contribuir à altura da função; desde seu entendimento em profundidade, o impacto daquele processo no resultado e no organismo sistêmico (áreas pares), , capacitação operacional da função (know-how) e gestão— desde o momento zero (integração); a decolagem na empresa. O cenário vai ganhando uma proporção “bola de neve” e buumm!! >> tchau, mesmo!!

Mariana Furtado (Portugal) A minha opinião resume-se a 3 pontos básicos:
1. um dos principais motivos é intrínseco em nós e primordial em tudo na vida. O facto de as pessoas não se conhecerem a si próprias, ou mesmo não terem a capacidade de parar e pensar o que realmente as faz feliz.. “O que me faz feliz?” não é estranho que quase todos queiram o mesmo quando perguntamos? isso deve-se a uma formatação geral de que todos somos vitimas. Muitos de nos temos grandes sonhos e expectativas quando somos pequenos e ao longo da vida vamos esquecendo e acabamos por seguir o que a vida nos vai reservando, sem grandes lutas. Acho que se todos parássemos e tivéssemos a capacidade para pensar o que realmente nos faz feliz, e lutarmos por isso, sejamos novos ou velhos, seriamos bastante mais satisfeitos no nosso trabalho, pois “quem corre por gosto não cansa”.
2. Depois posso também dizer que o grande defeito do mundo é a falta de amor pelo próximo. Vivemos numa bolha só nossa em que não nos preocupamos com o que o próximo acha ou pensa. Isto faz com que nas empresas ninguém se preocupe se os seus trabalhadores estão motivados, satisfeitos ou não.
Tenho bastante atenção a esse factor com as pessoas que trabalham comigo. É bom trabalhar num ambiente feliz e equilibrado, para além que gera muito mais lucro. Mais lucro melhores salários. É um ciclo.
O ser humano tem 6 necessidades básicas:
. sentir conforto tanto espiritual como físico
. Surpresas e desafios (quebra de quotidiano)
. Sentir-se especial e reconhecido
. Dar e receber atenção (sentir-se amado)
. Sentir que está a progredir
. Aprender
e as entendermos e reconhecermos é fácil conseguirmos as pessoas felizes não só no trabalho, mas também em outros momentos.
3.Por último digo, como arquitecta, que o espaço onde as pessoas trabalham é factor fundamental que influência a mente e conforto humanos. Trabalharmos com boas condições, luz natural, espaço agradável e confortável, faz-nos sentir mais vivos, mais produtivos.
Por último gostava de comentar algo que aqui foi dito quanto à imposição hierárquica. Caso esta não existisse as empresas eram uma anarquia. Uns nasceram para ser lideres, outros menos. Uns preferem trabalhar para outros. A questão aqui é que ser líder, ter pessoas a cargo dele não é fácil.. Não se manda fazer, pede-se para fazer. Saber mandar é uma arte.

Byron Bastos (SE) Bem, como professor de educação básica (disciplina História), minha insatisfação se dá pelos seguintes motivos:
1. Sinto como se meu trabalho não tivesse resultado algum. É como uma pregação no deserto. O que angustia, pois sinto que finjo ensinar. Enquanto os alunos fingem (alguns nem isso) aprender;
2. A carga horária de trabalho é excessiva, o que prejudica o planejamento extra-classe. Que é uma etapa decisiva num trabalho bem sucedido;
3. Falta estrutura para desenvolver as tarefas com qualidade. De coisas básicas como a porta de uma sala, às basilares como uma biblioteca (com um funcionário responsável por ela);
4. A remuneração é baixa. O que obriga assumir uma carga horária de trabalho extenuante para conseguir um salário digno;
5. Educação parece ser algo em que todos podem opinar. Dessa forma, convivemos com um grande número de incompetentes atuando em cargo de gestão. Dessa forma, temos desde “fórmulas mágica” à “ideias fora do lugar” tentando ser impostas nas escolas. Essa verticalização do poder, extremamente autoritária, confunde e divide os professores. E atrapalha o desenvolvimento de qualquer trabalho que se busque qualidade. Dado que são membros duma mesma equipe remando em direções contrárias.
Bem, é isso.

André Cabral (SE) Excelente tema amigo, eu acredito que faz parte da natureza humana ser insaciável.
Isso seguramente é o maior motivo de evoluirmos e estarmos vivos.
Temos que focar no equilíbrio das nossas expectativas, necessidades e resultados valorizando cada um não esquecendo do outro.
Tenho percebido também uma necessidade das pessoas mostrarem que são fortes ou que dão duro como vivemos no tempo fast food fast talk fast task fast result instintivamente as pessoas expõe suas mensagens muito rápido e sem filtro gerando um clima de insatisfação constante. Na minha área vejo pessoas reclamando que voam muito e estão cansadas, voam pouco e não ganham bem, voam durante o dia enquanto aqueles que voam a noite ganham mais e quando voam a noite não dormem. Enfim o foco é reclamar.
Dessa turma que de tudo reclama, vejo fortes influências da nossa educação precária não estou falando das instituições mas do que os pais tem feito em casa. Com a revolução industrial o pai saiu de perto dos seus filhos e vários anos depois com o aperto da economia e inserção da mulher no mercado de trabalho a educação básica das crianças tem sido terceirizada para as babás creches e a TV…
Desenvolver resiliência nas pessoss requer um esforço grande e continuo para aprendermos a lidar com frustrações e terceirizar isso pode até dar certo mas nosso contexto em sua maior parte não tem sido dos que mais ME agrada.
Tenho o privilégio de trabalhar com o que gosto e sempre sonhei sou remunerado de forma satisfatória mas o preço cobrado é estar longe de casa, exposição a radiação cósmica, ambiente seco e ptessurizado, escalas cansativas alternando dias e noites, constante monitoramento das adversidades meteorológicas e falta fe infraestrutura.
Trabalhei no mundo corporativo e acredito que a maior ferramenta para o desempenho de uma equipe é seu líder e sua capacidade de motivação para isso ele tem que ter a liberdade para tal nessa hora entramos no clima organizacional que é reflexo das suas lideranças.

Victor Franco (SE) Acredito que a falta de reconhecimento dos gerentes para com os seus colaboradores, também influência para a insatisfação de muitos profissionais.

Quezia Freitas (SE) Vejo no mercado , dos dois lados , tanto organizações ,quanto colaboradores, confundindo reconhecimento ou resultado com valores em Reais. O “Valor” precisa ser reconhecido por ambos como algo bem maior que apenas dígitos. Rever isso faz toda a diferença na questão motivação. Nem todo reajuste salarial motiva equipes , nem a empresa pode valorizar apenas resultado numérico…. Refletindo muito sobre isso

Rødrigø Bradøx (SE) Alercio, existem vários motivos que podem causar essa insatisfação. Não comentarei todos q conheço/enfrentei, pois já os superei, mas como forma de contribuir com o seu trabalho pontuarei a minha última insatisfação (quase superada). O caso é o seguinte: acredito veementemente que nós Analistas de Sistemas passamos dias e mais dias pensando, estudando, especificando, projetando para construirmos algo mais próximo possível da perfeição, aí surge uma figura (geralmente um gestor) que n participa das etapas de lapidação da jóia e sem base alguma MANDA “na lata” que se faça uma “pequena” alteração no produto. Não sei os outros, mas me sinto totalmente desrespeitado/subestimado. Cada macaco no seu galho! Não que os gestores não possam intervir no produto, muito pelo contrário, devem sim, mas precisam respeitar o conhecimento e parar de potencializar os riscos. Para isso, deve-se passar a bola para o Analista, que avaliará a sugestão de quem quer que seja sob a ótica do conhecimento, gerando assim base suficiente para decidir se a sugestão poderá/deverá ser acatada.
Em Analogia, é como se o Gestor de uma construção alterasse por conta própria a estrutura da edificação sem o aval do Engenheiro, que para chegar àquela estrutura realizou diversos cálculos e estudos.
Espero ter sido claro e contribuído em algo.
Parabéns mais uma vez pela iniciativa.
Forte abraço.

Rodrigo Rocha (SP) Minha opinião é que a insatisfação no trabalho vem de fora pra dentro. Se o profissional não tem uma visão clara do “porque” ele vai trabalhar todos os dias, não há métodos ou processos que o manterá motivado. Eu se fizer, será por um curto prazo. Por outro lado, profissionais que tem uma visão dos seus objetivos e de onde ele quer chegar, poderão contribuir de forma significativa para o crescimento da empresa, desde que haja uma valorização. Cabe ao líder identificar tais papéis.

Rødrigø Bradøx (SE) Aí é q está. Fala-se muito da falta de motivação estar no profissional subordinado e esquecem do profissional líder.
Um líder ruim não faz uma equipe boa, mas uma boa equipe pode criar um falso bom líder, pois na maioria das vezes quando a coisa dá certo o mérito é do líder, no entanto quando dá errado a culpa é do resto da equipe.

Carlos Nazario (AL) Salário praticado hoje no Brasil, é uma das razões

Andre Santos (SE) A falta de sinceridade por parte das empresas também é um dos motivos.
Prometem o mundo na entrevista e não cumprem nem de perto o prometido.
Empresa que não apoiam qualquer tipo de inovação
Empresa com uma cultura de chefia e não de liderança.
Empresa que acha que quantidade de horas trabalhadas é sinal de produtividade.
Porém existe o profissional que não tem objetivo e está apenas indo trabalhar para ter o salário no final do mês, fica na zona de conforto, a Insatisfação é por culpa dele.

Um por Todos #2 – Resposta sobre Debate”Insatisfações no Trabalho. Quais os motivos?”

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: