Archive for the ‘ Livros ’ Category

Lançamento do meu Segundo Livro: Equipes de Alto Desempenho!

Nas próximas semanas, aguardem lançamento oficial do meu segundo livro, onde participei como coautor e será publicado pela Editora Ser+. Mais uma grande conquista para Sergipe!

Mais informações em http://www.editorasermais.com.br/site/index.php/o-livro/equipes-de-alto-desempenho/

Por Alércio Bressano

Anúncios

O Momento da sua Virada, César Souza

Seguem trechos e meus comentários/insights que publiquei no meu twitter ao longo da leitura desse livro e que consolidei logo abaixo para compartilhar com vocês. Peço desculpas pela falta de acentuação. Espero que seja útil.


O Momento da sua Virada, de César Souza

“O momento da sua virada” de César Souza. Oportuno para o momento atual da minha vida…
“Quem sabe faz a hora. Não espera acontecer.” Geraldo Vandré

Capítulo Zero – um novo começo
o que você faz para transformar seus sonhos (ou seja, projetos) em realidade?

Capítulo Um – o segredo de quem rompe a inércia
você conhece suas competências críticas (core competences)? São elas que o diferencia das demais pessoas no desempenho de sua missão.
entenda o seu modelo mental, é ele que leva você ao foco do que realmente deve ser feito.
essa revolução mental faz com que você saia da postura passiva e tenha o “renascimento individual”, passando a tomar as rédeas da sua vida.
modelo mental para romper a inercia: definir o destino, a travessia e chegada sao importantes, atitudes e paixão (traçar planos com a alma)

Capítulo Dois: a travessia é tão importante quanto a chegada.
após ter definido aonde quer chegar, é preciso definir como fazer. Cuidado para não ficar preso ao passado. Importante ter um olhar futuro.
isso significa que temos a tendência de repetir o que deu certo e fugir do que deu errado. Mas se deu certo ou errado antes, pode ter efeito diferente agora. Palavras essenciais: coragem e ousadia.
estratégia, a arte de escolher caminhos. Na década de 60 esse termo vai deixando de ser usado apenas por militares e passa para os negócios.
estratégia envolve mudanças, dizer não, manter foco. Não nasce de um processo lógico, racional, mas de algo intuitivo, ilógico e emocional.
na sua implantação, um elemento é fundamental: pessoas. Temos que fugir do modelo lógico-racional e passar para uma visão mais humana.
estratégia não diz respeito apenas a executivos, diretores e empreendedores, mas para aqueles que querem assumir o controle de suas vidas.
não adianta ter um belo sonho e executá-lo mal nem executar bem o sonho errado”.
o seu diferencial, o que define seu sucesso, é o seu estilo em identificar o ponto aonde quer chegar e como planeja a travessia.
estilo 1: acomodado (travessia pouco definida e não sabe aonde quer chegar)
estilo 2: planejador sem foco (travessia bem definida e sonho pouco definido)
estilo 3: realizador afobado (sabe onde quer chegar e não sabe como)
estilo 4: realizador moderado (travessia e sonho mais ou menos definidos)
estilo 5: realizador pleno (travessia e sonho bem definidos)
pela minha análise, meu perfil se encaixa nos estilos 3 e 4.

Capítulo Três: preparativos para a viagem.
muito mais que o simples desejo para transformar sonhos em realidade. Persistência, garra e coragem são básicos para transpor os obstáculos.
você sabe as amarras que atrapalham seus planos e o impedem de realizá-los?
muitos desses obstáculos e amarras estão dentro de nós mesmos, da nossa cabeça, do emocional.
você sempre tenta encontrar desculpas ou culpados para o seu comodismo?
as verdadeiras causas residem nos nossos medos, crenças, preconceitos, valores, ou seja, nosso modelo mental. Como romper? Livrar-se disso?
o que te leva a dar uma guinada/virada na sua vida pode ser um acontecimento indesejado e que te livra de alguma coisa ou vínculo passado.
existem dois tipos de parceiro num momento de virada: o cumplice, que apóia essa hora, e o mentor, que nos inspiram durante a travessia.
é preciso saber claramente o atual estágio em que se encontra e o desejado. Ter o timing, sentir coragem e ter um planoB caso algo dê errado
é preciso entender que essa distância (atual e desejado) é uma grande barreira, sendo a psicológica a pior delas.
ter a percepção incorreta dessa distância pode levar a dar um pulo menor que a perna ou um salto maior.
defina seus planos com a alma, materializando suas emoções. Esteja envolvido com seus projetos e sinta paixão pelo que faz.

Capítulo Quatro: o momento da virada: crie rupturas construtivas.
as principais viradas decorrem de rupturas na vida pessoal, ou seja, acontecimentos marcantes como demissão, fim de relacionamento, etc.
mas não necessariamente temos que esperar esses momentos. Podemos criar “rupturas construtivas” que nos levam a uma mudança de patamar.
atitudes para essa virada: intuiçao, autoconhecimento e engenhosidade (galileu), disciplina (darwin), sensibilidade e espontaneidade (monet), transgressão (picasso), ousadia, irreverência e ironia (modernistas), habilidades multifuncionais (da vinci).
quando pretende fazer o seu renascimento? E ter a capacidade de transformar problema em oportunidade?
esses momentos nem sempre são perceptíveis. É preciso estar muito atento e ter disciplina, foco, esforço, intuição e ousadia.
não se deixe aprisionar pelo medo do desconhecido. Mudanças não são apenas possíveis, mas realizáveis. É um momento propício de transição.

Capítulo Cinco: o diferencial de pessoas e profissionais bem-sucedidos.
nildo, zagueiro do bahia em 1969, impediu o milésimo gol de Pelé. A própria torcida o vaiou, mas ele deu exemplo de integridade.
ser íntegro é um dos pré-requisitos básicos para quem almeja a um novo patamar de vida.
mesmo que os exemplos de corrupçao no nosso país nos levem a crer que estamos indo na contramão sendo honestos, que sigamos nossos valores!
um exemplo prático que pensei agora é: você sonega imposto de renda?! Por mais dor no bolso que eu tenha, nunca o fiz! E você?
“Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada, nem vivida, nem elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes ousada.” Lya Luft (Pensar é Transgredir, ed. Record).
você pretende ser mero coadjuvante ou vai participar dessa “revolução invisível” e criar as rupturas para assumir o controle da sua vida?
se pretende fazer dos seus sonhos uma ponte, livre-se das velhas receitas prontas e abra espaço ao novo.
coisas que eram diferenciais antes e que agora não garantem sucesso: concurso, q.i. político, diploma, esperteza e herança.
atributos diferenciadores (opinião de caça talentos): criar e consolidar relacionamentos, liderança, comunicação, agilidade e saber ouvir.
“o verdadeiro líder não cria seguidores, cria outros líderes. Sabe extrair resultados incomuns de pessoas comuns”.
“Para quem não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho está errado”. “O medo de ousar fechou mais empresas do que a ousadia” Júlio Ribeiro.
mais dois atributos diferenciadores (opinião autor): empreendedorismo (e não é preciso sair da empresa) e inteligência integradora.
não precisa ter negócio próprio para ser empreendedor. Empreendedorismo é uma atitude, um estado de espírito. Autor acaba de citar um exemplo de empreendedor que o comoveu: Almir do Picolé (daqui de Aracaju).
atualmente é fundamental que se tenha profundo conhecimento na área de atuaçao, sem perder a visão geral dos negócios.
sete tipos de inteligência: lógico-matemática, linguística, musical, corporal-cinestésica, interpessoal e intrapessoal.
O conceito de inteligência emocional, de Daniel Goleman, é importante, mas autor cita a Inteligência Integradora (presente nos visionários).
atitudes para a mudança: determinação, ousadia, criatividade, autodesenvolvimento permanente, capacidade de transformar problemas em oportunidades e a habilidade de lidar com recursos escassos.
ser criativo é ter boas ideias. Ser inovador é transformá-las em valor.
autodesenvolvimento não é encher o curriculum, mas reservar tempo para saúde até o trabalho de potencializar forças e minimizar fraquezas.
a superação de um grave problema requer muitas vezes sabedoria e uma boa dose de renúncia pessoal.
júnior Achieviement citado pelo autor. Tive prazer de conhecer numa das reuniões do CJE há alguns anos.
é preciso ter coragem e ousadia para transformar os sonhos em realidade.

Capítulo Seis: as competências críticas das empresas campeãs.
várias empresas que já figuraram nas melhores e maiores da exame há anos atrás hoje não existem mais. Mudanças tratadas com velhas fórmulas!
o autor fala da capacidade de reinvenção do Grupo Votorantim (novos modelos de negócios). Eu adiciono também a nossa velha conhecida IBM.
com a globalização e a era do conhecimento (revolução digital), é exigido um novo modo de lidar com os clientes e de administrar a empresa.
as táticas de guerrilha são as mais adequadas às empresas: cria vantagens temporárias, descarta e se move para outras vantagens, etc.
as empresas tem que focar nas suas competências críticas, aquilo que as diferem das demais.
sete competências: senso de objetivo comum, atrair clientes, cultura empresa disseminada, inovação, flexibilidade, parcerias, alianças e líderes
empresas que estão promovendo mulheres a cargos de liderança, estarão mais preparadas para o futuro.
importante ouvir as pessoas da organização antes de promover quaisquer mudanças…
ganha essa guerra da competitividade quem souber atrair e fidelizar clientes e identificar e reter talentos.
estratégia depende da vontade, intuição e comprometimento dos envolvidos.
escolha quem quer servir e com quem quer trabalhar e depois defina a estratégia para os clientes com a sua equipe.
por isso que em time que está ganhando é que se mexe!

Capítulo Sete: o caminho das pedras (de comunidades e países vencedores)
pequenos grupos de pessoas ou países (comunidades) que investe no diferencial e na vocação pode obter o sucesso que almeja (ex do Ilê-Ayê).
relato do autor sobre os momentos de virada do Japão no sec. XIX e depois da segunda guerra
quem insiste em ficar parado no tempo, repetindo a velha fórmula de sucesso, perde o bonde da história (caso México).
o caminho das pedras da evolução futura passou das vantagens comparativas (recursos naturais, volume de capital, tamanho do mercado, geopolítica militar) para as vantagens competitivas (cenário globalizado, mudança nas relações de trabalhos, diferenciação).
sete atributos necessários para países, cidades ou comunidades devem possuir para vencer: educação, transformar problemas em oportunidades, capacidade de inovação, parcerias estruturadas, clima de competitividade saudável, cultura do empreendedorismo e estabilidade.
na minha otica, esses atributos podem ser usados para desenvolvermos nossa equipe de trabalho para criar um ambiente produtivo e saudavel.
exemplo da Intel que preferiu a Costa Rica ao Brasil para sediar uma fábrica. Fator que pesou: qualificação mão-de-obra e institutos de pesquisa
alguém conhece o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) em Manaus? Autor cita ele e o ITA, Cenpes, Embrapa que sao excelentes institutos.
mudar o modelo mental e libertar-se do preconceito é importante para encontrar novos caminhos e convergentes (caso rezadeiras e soro).

Capítulo Oito: crie o seu momento da virada.
a vida deve ser feita de pequenas conquistas. A grande virada é consequencia do somatorio de varias guinadas ao longo da existencia.
é preciso entender que é dificil uma mudança radical, dar um salto do presente direto onde se quer chegar. Temos mais de uma chance.
sete idades (fases) do líder (por W.G.Bennis): novato com mentor, aprendizado, confiança no poder, arrogância/surdez perigosa, sucessão
“É a capacidade de adaptação que leva a transcender os reveses e as perdas trazidas pela idade e a se reinventar a cada dia” Bennis, HarvaBR
estagios da vida (Gail Sheehy): 20a – inicia profissao, busca parceiro; 30a – plena atividade; 40a – revisa sonhos; 50a – novos propositos.
Sheehy diz que 45 anos é o momento decisivo, inicio segunda vida adulta. 45-65 “idade do saber” e 65-85 “idade da integridade”.
vou avaliar por quantos estagios passei na minha vida (autor diz que esta indo ao setimo). Hoje estou passando por um momento de virada!
organize sua historia com base nos momentos de virada que ja passou ate aqui e defina seus planos para construir o proximo!
li depoimento do autor e seus momentos de virada. Acabei de rabiscar as grandes guinadas na minha vida. Foram oito e estou indo ao nono!
“o maior objetivo da vida não é ganhar dinheiro, ter sucesso, ser reconhecido, tornar-se celebridade, mas reencontrar a própria essência”
agora é sua vez! Liste as etapas que viveu, defina seu “plano com alma” (onde quer ir), veja se é a hora certa e se tem coragem e siga!
pronto! Total de 171 páginas lidas! Espero que meus comentários tenham sido úteis!

Até o próximo livro: os 7 hábitos de Stephen Covey.

Por Alércio Bressano

Inteligência Emocional (Livro 1/2)

Atualmente, um dos meus focos nos estudos é sobre o assunto Inteligência Emocional. Para os profissionais que desempenham função que dependem das pessoas, é fundamental entender como as atitudes e o comportamento humano se processam e influenciam as decisões e escolhas de cada um.

Nós que atuamos na gestão de equipes e que temos o objetivo de tornar as pessoas cada vez mais produtivas e criar um ambiente adequado para que isso aconteça, é um tema que deve ser estudado com muita profundidade.

Alinhado a essa meta, acabei de ler um dos dois livros que comprei sobre o assunto. Em “O Novo Profissional Competitivo: mais razão, emoção e sentimento na gestão”, o autor Carlos Faccina, renomado profissional que durante vários anos atuou na gestão de RH da Nestlê, fala sobre os fatores inatos e da natureza humana que influenciam a tomada de decisões e que devem fazer parte do processo de educação gerencial. Com uma linguagem não tão simples e com alguns trechos de difícil entendimento, o autor passa uma visão importante: não existem receitas e fórmulas mágicas para entender o comportamento humano. São diversas variáveis que devem ser levadas em consideração e todas elas podem ser refutadas e questionadas. Portanto, a única verdade em relação a este assunto é que não existe verdade absoluta e cada situação requer um tratamento diferenciado.

Abaixo, seguem alguns registros que fiz ao longo da leitura de livro e que compartilho com vocês.

Livro: “O Novo Profissional Competitivo, mais razão, emoção e sentimento na gestão”

Autor: Carlos Faccina

Registros escritos por Alércio Bressano

– Excesso de calculismos, fórmulas prontas e regras podem atrapalhar realizações na vida (conclusões dos trechos finais do prefácio de Eduardo Giannetti)

– O primeiro capítulo fala sobre a competitividade (variáveis sistêmicas, estruturais e internas), responsabilidade social como diferencial e sendo parte do plano estratégico da empresa e os desafios das empresas com a globalização (ter foco mais estratégico/inovação e menos na eficácia operacional).

– Exemplo do case do criador do microcrédito: “O avanço do conhecimento é, sobretudo, a quebra de paradigmas e da rigidez do comportamento. A inflexibilidade não é amiga de novas ações ou de diferentes dimensões de um problema.”

– O segundo capítulo aborda as ferramentas gerenciais de qualidade total (foco nos erros – defeito zero), reengenharia (mudanças e otimizações/integrações de processos, fazer mais com menos) e modelo de competências (inteligências múltiplas). O autor mostra que essas ferramentas cumpriram bem seu papel, mas consideram o profissional como tábula rasa (folha em branco que precisa ser preenchida do zero com os novos conceitos). Despreza os talentos inatos das pessoas (temos que buscar equilíbrio entre o meio e a natureza humana).

– O terceiro capítulo aborda que o conhecimento deve ser aplicado às organizações de modo que equilibre a busca pelos resultados empresariais (aumentar receita e reduzir custos) e a satisfação pessoal, inovação e prazer das pessoas.

– A moderna teoria do conhecimento humano visa passar de um modelo que tem a verdade, para algo realista e crítico, onde as conquistas são provisórias -> Razão Dogmática x Razão Crítica

– Modelos devem ser tratados como uma simulação da realidade, e não como a realidade propriamente dita. É apenas um meio de compreender melhor a situação (auxílio/apoio).

– Toda solução para um problema deve estar aberta a críticas (com objetivo de refutá-la). Se for, fazemos outra tentativa. Se não for, experimentamos, considerando que será criticada mais a frente. É um ciclo constante de “ensaio e erro” consciente.

– Realidade mostra que as ciências administrativas (métodos de gestão) se distanciaram da filosofia e das ciências humanas.

– As velhas doutrinas resistem à evolução do conhecimento, pois as novas teorias questionam as anteriores e não são aceitas pelos criadores de antigas teorias bem sucedidas (não são vistas como incrementos).

– No quarto capítulo, é feita discussão sobre não somente as características do ambiente que influenciam as atitudes/decisões, como também o que é inato (natureza humana).

– Não somente o ambiente tem a capacidade de transformar e adaptar gestores. A natureza humana tem papel fundamental.

– “Devemos intensificar conteúdos que revelem a essência da natureza humana, para o aprimoramento da formação do profissional atual e do futuro?”

– Num processo decisório, não pode haver separação do corpo e da mente, ou seja, o fator emocional não substitui o racional, complementa-o

– Competências gerenciais têm que sair da sabedoria convencional (receitas e promover verdades prontas) e partir para a sua essência (instigar e provocar questões não advindas da sabedoria convencional, quebrar paradigmas, incentivar soluções criativas e insights).

– Palavras-chaves: ter coragem, assumir riscos, liderar, criar, renovar, fazer analogias, ter insights. Entender como relacionar essas habilidades com as inatas (nosso software que nascemos)

– “Autoengano perverso”: não atentar para o que é inato e achar que as habilidades necessárias estão sendo exercidas (mas de fato não estão)

– Deparando-se com qualquer problema, não podemos nos limitar a uma análise superficial, mas sim uma avaliação aprofundada a partir da Razão Crítica (exemplo da redução da criminalidade nos EUA).

– Os recursos (principalmente humanos) das empresas serão cada vez mais escassos e dispendiosos. A principal questão será: o que priorizar? Inovar e renovar serão base estratégica das empresas. Foco: ser mais produtivo, eficiente e eficaz.

– O quinto capítulo começa mostrando que inato, mente e corpo estão unidos (não somos um papel em branco e nascemos com programa inato e revelador do potencial influenciados pelos agentes do meio – cultura, religião, experiências)

– Não considerar a natureza humana pode levar à exigência de sacrifícios que a maior parte dos seres humanos não são capazes de colocar em prática.

– Emoção, sentimento e razão determinam o comportamento humano e são necessários para tomar decisões e direcionar a vida com mais prazer.

– Sentimentos ocorrem na mente e emoções no corpo (como um edifício onde as emoções são as fundações e os sentimentos o topo).

– Emoções são mecanismos de defesa em relação ao ambiente. Importante entender como elas ocorrem. Três tipos: de fundo, primarias e sociais.

– A verdade deve ser constantemente refutada e não devemos deixar que ideias, processos ou modelos concebidos contenham a verdade e que fiquemos limitados a ela (a busca da verdade é uma tentativa contínua e sistemática do experimento cientifico – incorporar o beneficio da dúvida).

– A razão crítica se constitui a conjecturar e refutar a verdade dos modelos preconcebidos

– Sentimentos são importantes.

– Os homens julgam as coisas de acordo com sua disposição mental, estado do cérebro.

– Revolução cognitiva significa a ideia de que eventos físicos, funcionamento da mente e racionalidade não são fatores isolados. Significa também que a mente e capaz de explicar coisas sem recorrer a estereótipos predefinidos.

-“O inato é base para a inteligência de resultados, sinônimo de padrões superiores de competitividade nas organizações empresariais”.

– Importante atentar que emoções e sentimentos são elementos fundamentais para estratégias e indutores de sucesso ou fracasso.

Aproveito e indico também a revista Super Interessante de Outubro/2009 que fala sobre alguns conceitos e autores inclusive citados nesse livro (capa “O segredo de ser você”).

Referências sobre Gestão Pessoal (Projetos, Tempo, Finanças)

Para você que deseja administrar melhor seu tempo e gerenciar melhor seus projetos profissionais e pessoais, seguem algumas referências que utilizei e utilizo até hoje no meu dia-a-dia:

Projeto VOCÊ
Você S/A – Dezembro/2002

Comentário sobre a revista:
Essa matéria (de capa), mostra como administrar projetos pessoais e ter mais qualidade de vida, balanceando melhor sua vida. Apresenta uma metodologia para sistematizar os projetos pessoais e como administrá-los. 
Esta foi a minha 1ª. edição da Você S/A (comprei numa livraria) e depois dela passei a ser assinante e nunca mais deixei de ler essa revista. Após ler, coloquei em prática e nunca mais deixei de administrar meus projetos pessoais. Até hoje tenho essa publicação e de vez em quando a consulto, para revisar alguns conceitos e manter a disciplina nesse processo.

Administre seu Tempo
Coleção Você S/A – Você em Equilíbrio

Comentário sobre o livro:
De forma bastante simples, esse pequeno livro mostra alguns conceitos para administrar melhor o tempo. Baseia-se nos conceitos de Stephen Covey, que categoriza os trabalhos em quadrantes: Urgente e Importante, Urgente e Não Importante, Não Urgente e Importante, Não Urgente e Não Importante. Também mostra como administrar os seus projetos e atividades em cada um desses quadrantes. Adquiri esse livro em 23/11/2003. Até hoje utilizo os conceitos nele apresentados.

Tríade do Tempo: a Evolução da Produtividade
Christian Barbosa

Comentário sobre o livro:
Eesse livro apresenta uma abordagem diferente em relação ao tema administração pessoal (que na ótica dele é um upgrade do assunto administração do tempo). O autor apresenta uma metodologia diferenciada e completa. Segundo ele, as atividades se categorizam em 3 tipos: Urgentes, Importantes e Circunstanciais. Também traz um conceito extremamente inovador e interessante. Segundo o autor, a nossa vida é composta por 4 corpos: MENTAL, FÍSICO, EMOCIONAL e ESPIRITUAL. Para termos maior qualidade de vida, temos que fazer coisas que equilibrem esses 4 corpos. Tive conhecimento desse livro de uma maneira interessante: sempre costumo ir à Livrarias e dar uma olhada em títulos relacionados à gestão, administração e computação (menos técnicos). Numa dessas idas, peguei esse livro, li a orelha e me interessei. Nessa época, estava amadurecendo o interesse nesse tema e na formulação do meu planejamento pessoal. Adquiri esse livro em 19/11/2004.
Mais informações:
http://www.triadedotempo.com.br

http://blog.triadedotempo.com.br

Gerencie sua Mente, Não seu Tempo
 
Comentário sobre o livro:
https://alercio.wordpress.com/2007/09/17/licoes-aprendidas-do-livro-%e2%80%9cgerencie-sua-mente%e2%80%9d/

Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes
O 8o. Hábito
Stephen R. Covey

  
   


Ainda não li esses dois livros, mas eles abordam 8 hábitos, sugeridos pelo autor, para ser eficaz e conseguir realizar seus objetivos profissionais e pessoais. Estou pretendendo lê-los ainda esse ano. Vale a pena.
Mais informações:
http://www.franklincovey.com.br

Sobre Finanças Pessoais
Nesse tema de Finanças Pessoais, li diversas matérias da Você S/A na seção Dinheiro, uma publicação do Gustavo Cerbasi (Casais Inteligentes Enriquecem Juntos) e um curso sobre Finanças no SEBRAE (apesar de ter sido um curso direcionado a empreendedores, adaptei o conceito para gestão de finanças pessoais). Após uma crise financeira que tive, passei a administrá-las e até hoje colho os frutos disso. É notório o quanto isso é importante.
Mais informações:
http://www.vocesa.com.br(em Edições Anteriores)
http://www.maisdinheiro.com.br (Gustavo Cerbasi)
http://educacao.sebrae.com.br (Cursos Gratuitos On-line do SEBRAE)

Espero que essas dicas sejam úteis!

Abraços,
Alércio Bressano

Lições Aprendidas do Livro “Gerencie sua Mente”

Compartilho com vocês os aprendizados obtidos com a leitura do livro "Gerencie Sua Mente Não Seu Tempo". Pelo menos os atrasos em vôos no Brasil me trouxeram algum benefício, pois me proporcionaram algumas visitas às livrarias de aeroportos.

 

 

 

Seguem algumas conclusões:

O autor apresenta uma série de técnicas para aumentar a produtividade pessoal. A principal delas se refere ao seguinte ponto: para você ser mais produtivo, você precisa "esvaziar a sua mente", para que possa focar energias naquilo que é realmente importante, retirando os projetos inacabados ou não realizados que tanto incomodam e tiram nosso foco. A ideia é concluir os projetos inacabados e fazer uma lista daqueles que ainda serão feitos. Tendo essa visibilidade e sabendo que tudo esta endereçado, você começa a perceber que é mais produtivo sabendo que está fazendo o mais importante e que todo o resto está previsto para ser feito em outro momento.

 

Quem nunca chegou no quarto e olhou para a estante e pensou: “Poxa, ainda tenho que ler aquele livro, aquela revista, redigir aquele artigo”? São os inúmeros projetos inacabados que nos atormentam no nosso dia-a-dia.  

 

A grande sacada do autor é ter sistematizado a idéia de que a fonte do estresse está relacionado ao número de tarefas a serem feitas e que não estão planejadas. Daí vem a sensação de que tem muita coisa pra fazer, não dá pra fazer tudo. E quando passamos a identificar esses itens, planejá-los, mapear as interferências e ajustar o plano, estaremos mais focados e confiantes de que tudo será feito e concentrando toda a energia no que está sendo feito naquele momento. Portanto, planejamento e execução focada é a chave do sucesso. Com relação a isso, observe o que o autor cita no livro: "Uma lista de projetos completa e primorosamente definida, mantida, atualizada e revisada pelo menos uma vez por semana, é um elemento chave para a produtividade livre de estresse.”

 

Um outro ponto que ele discute é vencer a barreira de iniciar uma tarefa complexa ou projeto grande. Muitas vezes, postergamos o início da execução de uma tarefa em função da insegurança ou complexidade de execução. Para isso, ele sugere definir ações mais factíveis para esses grandes projetos, para que a atitude de começar algo vença essa barreira do desconhecimento. Eu tive a oportunidade de fazer isso, não executando a tarefa em determinado momento por achar complexa e demorada, mas no final você descobre que era mais simples do que você imaginava e que poderia tê-la feito muito antes.

 

Além de ser importante esvaziar a mente para ser mais produtivo, isso também torna o indivíduo mais criativo e apto a fazer escolhas.

 

O conceito a seguir é interessante para aqueles que acham que planejar é perda de tempo: "Quando você mais precisa planejar é geralmente quando você acha que não tem tempo. Quando você mais precisa se organizar é quando você menos sente que pode se permitir fazer as coisas necessárias a esse fim". Quando tenho tempo livre, é mais tranquilo para que eu possa planejar. Entretanto, o planejamento é mais importante quando o tempo é escasso e seu uso precisa ser otimizado.

 

 

Por Alércio Bressano